Natal na vila

Era uma vila muito diferente. Criada no século XIX, começou a crescer apenas nas últimas décadas do século XX, ficando para traz de muitos vizinhos que surgiram depois dela mesma. A chegada de uma grande franquia de fast food foi um acontecimento e tanto para quem morava por lá.

E será aqui que nossa história se passará pelos próximos contos. Mas especificamente no dia 24 de dezembro, das mais variadas décadas, com diferentes moradores.

Mas por que falar sobre essa vila em específico? Qual o seu atrativo? O que justifica uma história focada apenas nesse lugar inóspito? Eis a resposta. A fundação da vila é cercada de mistérios. As lendas sobre os primeiros habitantes são muitas e até hoje há antropólogos que defendem que parte dessa deve ser considerada como verdadeira. O que vocês acham desses contos? Estariam dispostos a dar uma chance para eles?

Tudo começou no ano de 1826, quando supostamente uma família de refugiados da Europa chegava àquela terra ainda por colonizar. Vieram fugidos da Europa, onde eram acusados de bruxaria. Os boatos dão conta de que entregavam doces envenenados para as crianças, como forma de roubar a vitalidade de suas almas. Ao encontrarem aquela terra abandonada, creram que era uma oportunidade de lidar com os espíritos que tanto tinham feito por eles.

Segundo muitos moradores, a família tinha abrigado uma família de brasileiros que fugia do sertão nordestino. Inicialmente, os visitantes foram tratados da melhor maneira possível, até que um dia acordaram amarrados, aguardando pelo momento em que seriam degolados e ofertados em tributo para os deuses dos europeus. Eram negros. Fugiram do sertão nordestino em busca de liberdade, numa terra onde a cor de pele escura era sinônimo de propriedade.

Os filhos foram mantidos para acasalarem com as próprias crianças dos europeus. Miscigenados, as crias daquela união nasceram sem os poderes de seus antepassados e assim, com o tempo, apenas pequenas expressões da antiga bruxaria foram sentidas pelos habitantes da cidade.

Uma versão mais real diz que uma família de europeus veio fugida do velho continente, em busca de terra. Ao encontrar aquele espaço abandonado, se fixaram ali e pagaram um amontoado de moedas em troca à Coroa Portuguesa.

Quando viram uma família de negros foragidas do sertão nordestino, ofereceram abrigo em troca de trabalho. Quando os negros perceberam que estavam em uma nova versão de escravidão, tentaram escapar, mas acabaram assassinados. Os filhos foram mantidos e cresceram treinados para servir como escravos, mas um dos filhos do casal europeu se apaixonou pela menina negra e os dois teriam tido um filho, dando início à miscigenação que marca a cidade sulista.

Em qual das versões você acredita?

A verdade é que histórias sobre a vila ser uma terra amaldiçoada tem sido transmitida por anos. O crime cometido pelo casal original amaldiçoou aquela terra, do mesmo modo que a escravidão de índios e negros amaldiçoou toda a terra brasileira.

Um fato é comum nas duas histórias. O assassinato do casal negro aconteceu no dia 24 de dezembro – um dia após a sua tentativa de fuga. E é justamente nessa data que vamos nos concentrar pelas próximas semanas.

4 comentários sobre “Natal na vila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s